- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.515 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cantiga do semeador

João Dias / Fontes Rocha *fado isabel*
Repertório de Rodrigo 

Não sou demónio nem santo
Não tenho nada de meu
Se não os versos que canto
Para dizer que sou eu

E tudo quanto aprendi / O meu povo me ensinou
Por isso é que estou aqui / Cantando o povo que sou

Não trago armas de guerra / Nem discursos de entreter
Mas p’ra amar a minha terra / Peço meças a qualquer

Meus pulmões têm mais ar / Meus olhos, mais infinito
Mais braços para enfeitar / Searas no chão que habito

Em cada alma um poema / Em cada corpo uma flor
Justiça aos braços que remam / E às mãos do semeador