- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lisboa das barracas

César de Oliveira / João de Vasconcelos
Repertório de Maria Armanda 

A estrangeirada vai ver encantada
O Museu dos Coches com portas de prata
E à noitinha dá uma voltinha
Pelos pitoresco dos bairros da lata

Cheira a sardinha, cheira a farrapos
Do Alfacinha que faz luxo nos seus trapos
Tecto de zinco esburacado onde se vê
O progresso citadino dma antena da TV

Ai Lisboa das barrracas
As barracas, as barracas, também têm linda vista
Ai Lisboa das barrracas
As barracas, as barracas que se mostram ao turista
Ai Lisboa empoleirada onde mora gente boa
Viva a malta das barracas
Das barracas encostadas às colinas de Lisboa

À noite há fados, falados, gritados
No terno sotaque duma zaragata
Nascem amores que são como flores
Plantadas p’lo povo, num vaso de lata

Até a lua beija indiferente
Aquela rua que não tem nome de gente
Poças de chuva que são espelhos a lembrar
A Lisboa das barracas que ainda teima em cá ficar