- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O castanheiro

João de Vasconcellos e Sá / António Pinto Basto
Repertório de António Pinto Basto

No cimo daquele outeiro
Debruçado, um castanheiro
Morre de sede e fadiga
Erguendo os braços ao vento
Dando a visão do tormento
Sobre uma rocha inimiga

Perdeu as folhas, coitado
Tão sequinho, tão mirrado / Fogem dele os passarinhos
Pois mesmo em noites suaves
Não pode abraçar as aves / Nem pode embalar os ninhos

E um ramo de hera viçosa
Que vive, sempre amorosa / Ao velho troco segura
Abraça o pobre velhinho
Cada vez com mais carinho / Cada vez com mais ternura

Ó hera que não dás flor
Teu coração, para amor / Deve ser igual ao meu
Singela planta que eu amo
Jamais se esquece do ramo / Onde uma vez se prendeu