- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Aquela estrela

José de Vasconcellos e Sá / Arlindo de Carvalho
Repertório de António Pinto Basto 

No céu azul uma estrela / Apaixonou-me e sorri
Estela de luz tão bela / Na vida, nunca mais vi

Bebi água num ribeiro / Matei a sede que tinha
Sentei-me no chão à espera / A ver se a estrela vinha

Vivo as manhãs sem regresso
Canto as orações em verso
Um milagre a deus pedi
Gostava tanto de ver
Ainda antes de morrer
Aquela estrela que eu vi

O céu azul ali estava / Morreram noites e dias
Num ermo eu só, escutava / Madrigais de cotovias

Se a luz de uma madrugada / Nos há-de aquecer depois
O mundo será pequeno / Para vivermos os dois