- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Chorei naquela noite

António Vilar da Costa / Alfredo Duarte *fado laranjeira*
Repertório de Fernanda Maria

Gemiam as guitarras e a luz trémula e frouxa
Das velas eram círios em tempo de oração
E o xaile da fadista era a túnica roxa
Da imaculada Virgem em dia da paixão

E a voz da cantadeira em rimas de amargura
Como se os versos fossem as contas do rosário
Foi desfiando a história, o sonho, a desventura
D'alguém que amou na Esperança e vive no Calvário

Calaram-se as guitarras e o sonho dissipou-se
Com o fumo dos cigarros e a névoa da saudade
Mas por milagre então minh'alma iluminou-se
Senti-me mais mulher e amei com mais verdade

Eu era bem menina e ainda tinha fé
P'las grades do meu peito entrava o sol a pino
Chorei naquela noite e agora sei porquê
Porque antevia já no fado, o meu destino