- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A lenda duma guitarra

Hermenegildo Figueiredo / Jenny Telles
Repertório de Maria da Nazaré

Numa casa abandonada
Em ruínas, esburacada / Duma viela sombria
Foi encontrada sózinha
Uma guitarra velhinha / Dos tempos da fidalguia

Ninguém sabe de quem era
Seria até da Severa / Dum fidalgo, dum rufia
Essa guitarra encontrada
Numa casa abandonada / Às portas da Mouraria


Velha guitarra
Abandonada e escondida
Naquela casa bizarra

Da Mouraria esquecida
Ai quem me dera

Ouvir-te trinar agora
O fadinho rigoroso

Como nos tempos de outrora

Mas quando a noite está calma
E não se ouve viv'alma / Alguém diz, sem fantasia
Que naquela casa, então
Se ouve estranha canção / Em dolente melodia

É talvez o choro de alguém
Que do etéreo além / Soluçando em voz sentida
Assim canta tristemente
Com saudades, certamente / Dessa guitarra perdida