- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Parolagem da vida

Carlos Drumond de Andrade / Filipe Raposo
Repertório de Ana Laíns

Como a vida muda, como a vida é muda
Como a vida é nuda, como a vida é nada

Como a vida é nada, como a vida é tudo
Como a vida muda como a vida

Como a vida é outra, sempre outra, outra
Não a que é vivida, como a vida é vida
Ainda quando morte esculpida em vida

Como a vida vale mais que a própria vida
Sempre renascida em flor e formiga
Em seixo rolado, peito desolado
Coração de amante

Como a vida é forte em suas algemas
Como dói a vida quando tira a veste
Quando tira a veste de prata celeste
Como dói a vida como a vida

Como a vida ri a cada manhã
Do seu próprio absurdo, e a cada momento
Dá de novo a todos uma prenda estranha