- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Bons tempos

José Galhardo / Arnaldo Martins de Brito
Repertório de Carlos Ramos

Tempos antigos, tempos passados
Tempos de artistas, tempos mornos que eu vivi
Velhos amigos, velhos pecados
Velhas fadistas que eu não vejo agora aqui

Já lá vão todas, já lá vão todos
Já lá não falta senão um que espera a vez
Foram-se as modas, foram-se os modos
Foi toda a malta do meu tempo com vocês

Chorai, chorai
Por mim, por mim
Rapaz do tempo que lá vai
E eu vi no fim
Passou, passou
Morreu, morreu
E deste mundo que acabou
Fiquei só eu

Vi as esperas, vi as toiradas
Pegas e tudo no bom estilo português
Vi as galeras, vi as cegadas
O velho entrudo com bisnagas e chéchés

Vi a avenida com luminárias
Toda empredada a preto e branco sem metrô
Coisas da vida, extraordinárias 
O agora é nada ao pé de tudo o que findou