- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Esquina do céu

Tiago Torres da Silva / Alfredo Marceneiro *fado laranjeira*
Repertório de Linda Leonardo

Não sei se andei na lota, não sei se senti frio
Mas sei que fui gaivota voando sobre o rio
Gaivota que insinua, no céu que existe em mim
A somba de uma rua que nunca mais tem fim

O meu coração voa sem conhecer a rota
Que lhe traçou Lisboa no voo de gaivota
Deus queira eu não me esqueça que o céu tem uma esquina
Onde quem vai depressa, não vê a própria sina

Quem não acreditar que a sua alma voa
Não deve procurar os beijos de Lisboa
Um beijo ressuscita, um beijo também mata
Quem finge que acredita que o Tejo é todo em prata

Uma bala percorre um triste entardecer
Mas Lisboa não morre sem antes me dizer
Por teres sido gaivota talvez um dia eu faça
Um céu que abrace a rota da dor que me trespassa