- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Colchetes de oiro

Henrique Rego / Popular *fado corrido
Repertório de Alfredo Marceneiro

Toma lá colchetes d’oiro
Aperta o teu coletinho
Coração que é de nós dois
Deve andar conchegadinho

P’ra ficar mais lindo ainda / Teu coletinho de rendas
Aqui trago minha querida / A mais modesta das prendas
Não quero que tu te ofendas / Nem que tomes por desdoiro
Não te ofertar um tesouro / Digno de teu coração
Mas dados por minha mão

 Toma lá colchetes d’oiro

São minúsculas estrelas / Que se perderam no ar
E a lua p’ra reavê-las / Pôs de atalaia o luar
Ainda as pude apanhar / No meu nocturno caminho
E fiz delas com carinho / Estes colchetes, portanto
Minha boneca de encanto
Aperta o teu coletinho


Se fores de noite à rua / Deves guardá-los com jeito
Não quero que a dona lua / Toque ao de leve o teu peito
Que eu sempre guardei respeito / Pela grandeza dos sóis
Mas vim a saber depois / E fiquei compenetrado
Que deve ser respeitado

Coração que é de nós dois

Os corações dos amantes / Só se conseguem prender
Com colchetes florantes / Dos que te vim oferecer
Mais tarde quando nascer / Do nosso amor, um filhinho
Na doçura deste ninho / Nos dirá por sua vez
Coração que é de nós três
Deve andar conchegadinho