- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lisboa da minha saudade

Eduardo Olímpio / Arlindo de Carvalho
Repertório de Nuno da Camara Pereira

Sonhando andei por Lisboa 
Lembrando tempo passado
O dorso duma canoa
A doce mágoa do fado

E a Rosa da Madragoa
Que não me quis namorado
Alguém da noite cantando
E a lua espreitando num velho telhado

Um cheiro a jornais
O peixe no cais, um céu sem idade
É esta a Lisboa da minha saudade
Pregões matinais 
Que acordam pardais, num hino à cidade
É esta a Lisboa da minha saudade

Lisboa das caravelas
Com brancas velas em oração
Cidade noiva do fado
Que eu amo e trago no meu coração

Lisboa de quando havia
Gaivotas em consoada
Num Tejo azul que parecia
Feito de prata lavada

Lembrança de quem partia
Nos olhos da madrugada
E a proa duma traineira 
Bailando ligeira em cada largada