- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.107.500 VISITAS /*/ ABRIL 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa >

Sangue na arena

Henrique Rego / Popular *fado corrido*
Repertório de Rodrigo

Tarde de sol e touradas
Vibrações, encanto e graça
Janelas engalanadas
E manchas rubras na praça

Domingo de Primavera / Belo, festivo e risonho
A praça de Talavera / Vibrava de amor e sonho;
Rosas lindas, que suponho / Colhidas por mãos de fadas
Eram p’ra arena atiradas / Numa volúpia fermente
Dessa luminosa e quente /
Tarde de sol e touradas

Com requintada bravura / Lidava o garnde Esparteiro
Os fortes toiros de Múria / Afamado ganadeiro;
Trajava com fino esmero / Esse matador de raça
Arrastando a populaça / Á mais doce embriaguês
Por lidar com altivez /
Vibrações, encanto e graça

A tarnspirar, de muleta / Esparteiro, sempre ufano
Era a viva silhueta / Dum gladiador romano;
Como se fosse um soberano / Um herói de eras passadas
As mulheres apaixonadas / Pelo amor desse toureiro
Tiveram, o dia inteiro / Janelas engalanadas

Ao terminar a corrida / O espada garboso e forte
Na arena perdeu a vida / Quando ao toiro dava a morte;
Foi chorada a sua sorte / Por aquele enorme massa
De gente, que por desgraça / Ficou a ver, Santo Deus
O sol a brilhar nos céus /
E manchas rubras na praça