- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Agradeço à vida

Rosa Lobato Faria / Moniz Pereira
Repertório de Teresa Tapadas


Digo mal da vida quando a vida é tão madrasta
Digo mal da vida quando a vida é tão cruel
Digo mal da vida quando a vida deixa marca
De fel nos sentidos, de grilhões na minha pele

Vieste e acendeste a magrugada
Perfumaste a minha estrada

Aqueceste a minha mão
Falaste, mandaste embora a saudade
Inventaste a liberdade

Foste vinho e foste pão
Sorriste e nasceu uma roseira
Bem juntinho à cabeceira

Desta cama de paixão

Disse mal da vida quando a vida é tão madrasta
Disse mal da vida quando a vida é tão cruel
Disse mal da vida quando a vida deixa marca
De fel nos sentidos, de grilhões na minha pele

Soubeste transformar a minha casa
Fazer dela ninho de asa

Pôr o fogo a crepitar
Quiseste tirar trevas das gavetas
Descobrir as rimas certas

Nos meus versos nasceu mar
Disseste, vem comigo ver a vida
Ela é muito mais bonita

P’ra quem sabe perdoar

Digo bem da vida que me deu o teu sorriso
Digo bem da vida que me deu o teu calor
Agradeço à vida o meu grão de paraíso
Nunca mais difamo a vida que me deu o teu amor