- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Em oito dias

Neca Rafael
Repertório de Neca Rafael

Fez Domingo oito dias / Que arranjei uma vareira
Sem pensar em arrelias / Casei na segunda-feira

Na terça, já o mal alastra / Que me pôs tão descontente
O mal que tudo arrasta
Porque pousou a canastra / E fez uma permanente

Com um pau grosso como um mastro
Que o bem e o mal alastra
Dei-lhe cabo do canastro
Por arrumar a canastra
És maluca, camafeu
Quem não trabuca, não manduca
P’ra malandro cá estou eu


Na quarta, o caso foi feio / Mas na quinta, que veludo
Entrou-me com um paleio / Que eu já consentia tudo

Na sexta fui convencido / Por cantigas muito velhas
Diz ela assim: meu marido
Olha, vou estrear um vestido / E arranjar as sobrancelhas

Diz ela agarrada a mim
Ai eu bem sei o que tu queres
Os homens são sempre assim
Quando gostam das mulheres
Meu Lulu, meu amor
Nenhum me pareces tu
E eu entrei como um andor


E no sábado cumpriu / Todo o dever de mulher
Ah... mas no domingo fugiu / Com um bacano qualquer

E ao fazer segunda-feira / Oito dias, penso agora
Que caí em grande asneira
Porque eu tinha uma vareira / O outro tem uma senhora

Fiquei a chuchar no dedo
Sem ter planta nenhuma
Agora até tenho medo
Quando me aparece alguma
Meto dó, que desgraçado
Mas mais vale ás vezes só
Do que mal acompanhado