- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O ardinita

Mote popular / Glosa de Linhares Barbosa / Popular *fado corrido*
Repertório de Fernando Maurício

Óh minha mãe, minha mãe
Óh minha mãe minha amada
Quem tem uma mãe tem tudo
Quem não tem mãe, não tem nada

O ardinita, o João / Levantou-se muito ledo
Porque tinha que estar cedo / À porta da redação
Trincou um naco de pão / Que lhe soube muito bem
Antes de partir, porém / Beija a mãe adormecida
E disse: cá vou à vida
Óh minha mãe, minha mãe

A mãe com todo o carinho / Deitou-lhe a bênção, beijou-o
E depois aconselhou / Sempre muito juizinho
Toma conta no caminho / Não fumes, não jogues nada
Pode ficar descansada / Diz ele, prá iludir
E tornou-se a despedir
Óh minha mãe, minha amada

Cruzou toda a Madragoa / Satisfeito a assobiar
Uma marcha popular / Do Santo João em Lisboa
Nisto pensou; é tão boa / A minha mãe... e contudo
Como a engano, a iludo / E lhe minto, coitadinha
Gramo tanto essa velhinha
Quem tem uma mãe tem tudo

Neste calão repelente / Da gíria da malandragem
Existe um quê de homenagem / Nessa boquita inocente
Marcha pró jornal, contente / Sempre d’alma levantada
E como o calão lhe agrada / Repete, como eu a gramo
Tanto lhe quero, tanto a amo
Quem não tem mãe não não nada