- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado do pescador

Silva Tavares / António Melo
Repertório de Tristão da Silva 

A rede posta a secar 
A fim de voltar à lida
Cada vez que a lanço ao mar 
Lanço nela a minha vida 

Mas não julguem que me queixe / Ou me assusta a profissão
De ir ao mar buscar o peixe / Para ter na terrao pão 


É constante o sobressalto
Pelo risco de ir ao fundo e não voltar
Mas antes quero o mar alto
Que andar nas bocas do mundo
Lá no mar, a vida dói, custa a levar
Porque o mar é falso, e além de falso é vário
Mas cá na terra é que foi
E não no mar, erguido o calvário 


Já ouvi mais que uma vez / Ao falar-se do passado
Que do pranto português / Foi que o mar ficou salgado 


Mas foi o mar que nos trouxe / O respeito universal
E fez com que a gente fosse / Nação valente e imortal