- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Alamares

Linhares Barbosa / Jaime Santos
Repertório de Amália Rodrigues


Comprei uns alamares p'ra enfeitares o teu varino
Quero-te à marialva, á moda antiga
Chapéu de aba direita dum castiço figurino
E na boca formosa uma cantiga

Bota de polimento que se veja bem o salto
Biqueira miudinha afiambrada
E uma cinta de seda sobre calça de cós alto
Samarra de astracã afadistada


Na Mouraria
Desde a Amendoeira à Guia
Vamos encher de alegria

Esse bairro sonhador
Que esta guitarra
Tenha a voz de uma cigarra
Que o seu trinado desgarra
Numa cantiga de amor

Gravata à cavaleira na tua camisa branca
Fica mesmo ao pintar, se não te importas
Vamos depois aos toiros, no Domingo a Vila Franca
E na segunda-feira, para as hortas

Na adega mais antiga da Calçada de Carriche
Havemos de canar o rigoroso
E pões uma melena no cabelo de azeviche
E sobre a orelha, um cravo imperioso