- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado reguila

Carlos Manuel Marques
Repertório de António Mourão 

Fado reguila da última fila
Que fala e protesta a gritar
Fado mendigo que diz “ai amigo”
Pedir é melhor que roubar;
Fado bigode e emblema
Ai fado nas praias ao sol
Fado da gema que não diz poema
Que sabe melhor futebol

Fado, fado, fado, fado alegre, Zé ninguém
Fado, velho fado, nunca a vida te quis bem
Fado reguila que nunca se atila
Que passa por mal educado
Ai fado, refila, que a malta ‘inda está do teu lado

Fado rufia, calão sempre em dia
A falar no passado às garotas
Fado brigão, que só diz palavrão
E entra em casa com lama nas botas
Fado do tinto, imperial
Ai bica, cigarro, bagaço
Fado que joga e afinal
O dinheiro p’ra tal, nem parece ser escasso

Fado, fado, fado, fado alegre, Zé ninguém
Fado, velho fado, nunca a vida te quis bem
Fado da rua que vês mulher nua
Cowboys, malandrice, kung-fu
Fado, recua que é tempo de veres quem és tu

Fado que não tem saúde
Ai fado que quer é comer
Fado que é simples e rude
Que na juventude não pôde aprender

Fado, fado, fado, fado alegre, Zé ninguém
Fado, velho fado, nunca a vida te quis bem
Fado vadio que tremes de frio
Que sentes a fome a chegar
Fado vazio de tudo o que seja sonhar