- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Condão

João Monge / Carlos Barreto
Repertório de Hélder Moutinho 

Ai se eu tivesse o condão / De te dar o paraiso
Pedia a Deus para não
Inventar mais o perdão / Porque não era preciso

Ai se eu tivesse o condão / De sonhar como em criança
Virava pedras em pão
Punha um em cada mão / Deixava tudo de herança

Não quero a mais nem a menos
Para mim nem para ninguém
Somos todos tão pequenos
Ao pé da terra mãe

Só queria um largo maior / E um lar para cada um
Com papoilas ao redor
Uma paisagem melhor / E sem palácio nenhum

É tão fácil o meu sonho / Tão fácil de imaginar
São loucuras que componho
Depois fico meio tristonho / Quando acabo de acordar

Ai se eu tivesse o condão / De dar um pouco de mim
Uma semente no chão
Inventava uma oração / Sem prinípio e sem fim

Mas sou um homem normal / Sem poder nem ambição
Tenho o dom de ser igual
A qualquer simples mortal / Ai se eu tivesse o condão