- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Anda cá rapariga

Domingos Gonçalves Costa / Casimiro Ramos
Repertório de António Rocha

Não tenhas medo
Que eu não sou, como supões
Um ladrão de corações ou um tirano Don Juan
Sou como tu
Amo-te muito em segredo
E digo-te hoje com medo que seja tarde amanhã

Anda cá rapariga, aqui tens um coração
Onde não mora a paixão, onde o amor não se abriga

Onde a tristeza d’agora há muito tempo já mora
Sem que afastá-la consiga quando a minh’alma devora

Se nunca amaste ninguém e também p’la vida fora
Nunca sofreste d’alguém ilusões que o amor obriga

És minha irmã no amor
Anda cá rapariga

Vamos p’la estrada
Ora agreste, ora florida
Na estrada enorme da vida apenas buscando um fim
Viver amando
Sem que de mim te aborreças
Até que um dia envelheças sempre bem junto de mim