- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado das mágoas

Letra e musica de Frederico de Brito
Repertório de Fernanda Maria

Eu nunca procurei o teu olhar
Foi ele quem buscou os olhos meus
Eu nunca fiz empenho em te encontrar
E nem sequer segui os passos teus

Agora já começo a entender
Não quero reviver a minha dor
Pois já falta coragem p'ra dizer
Adeus ao nosso amor

Sofre as mágoas e queixas / Sofre, que faz bem chorar
Só p'ra ver se tu me deixas / Eu passo a vida a cantar
E assim lavo do meu peito / O veneno desse olhar


Se alguém te for dizer que eu fui cruel
Tu faz esta pergunta, por favor
Pergunta se bebeu o amargo fel
Naquela taça d'oiro que è o amor

Tu sabes lá supor o que è viver
Com quem nos fez sofrer, nos fez penar
E ouvir o coração sempre a dizer
Adeus, ao mesmo olhar