- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Máscara

José Pereira / Frutuoso França
Repertório de Maria José da Guia

Faltaste ao juramento que entre nós dois havia
Ludibriaste assim meu pobre coração
Acreditei em ti, estava cega, não via
Só existir em ti a máscara da ilusão

Coração libertino que se deixou prender
Nas garras dum amor que nunca soube amar
Tive pena de mim, mas vi que era mulher
Meu coração mais frágil deixou-se apaixonar

Encorajei a alma, fiz-me forte e venci
A chama do ciume no peito de mulher
E as lágrimas que outrora dos meus olhos  verti
Transfornaram-se agora em risos de prazer

Segue a estrada da vida como se te aprouver
Segura bem a máscara, vê lá, toma cuidado
Pois se ela te cair, verás que outra mulher
Tu julgas enganar, e ès tu que ès enganado