- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Campino apaixonado

Leonel Neves / António Mestre
Repertório de Tony de Matos

Se não há nada que possa / Fazer tremer um campino
Maldito olhar dessa moça / Que faz de mim um menino

Olhou-me sem dizer nada / Larguei da mão o pampilho
Aquilo deu uma pancada / Pior que a marrada de algum novilho

Sou um campino capaz
De ir só atrás duma manada
Não deixo o toiro fugir
Nem o cavalo caír;
E já nem sei onde foi
Peguei um boi numa toirada
Só não consigo vencer
As manhas duma mulher


Quando ela passa indiferente / Todo eu me dano e me zango
Meu coração de repente / Põe-se a bater o fandango

Embora nada me deva / Se calha de olhar para outro
Eu sinto estrelas na treva / 
Como quem leva coices dum potro