- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Enquanto souber cantar

Paco Bandeira / Lucio Vieira
Repertório de António Mourão

Eu canto aquela rua de vasos na janela
Os garotos que brincam, a gente descuidada
E canto a voz do rio nos barcos e nas velas
A murmurar ternura, mal finda a madrugada;
Eu canto a minha terra, porque a cantar eu digo
Que a terra è uma mulher na minha voz deitada

Cantar è descobrir
O mundo inteiro num sorriso
Cantar è construir
O mundo novo que è preciso
Cantar è um pregão
Que a gente entoa vida fora
Cantar è um gavião
Rasgando a aurora


Eu canto esta certeza de amanhecer o dia
E o homem acordar na terra fecundada
E canto a liberdade, o grito de alegria
Desta força a crescer no espaço à desfilada;
Eu canto a voz da gente a renascer do nada
Que a gente só está viva de voz alevantada