- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Escadinhas da Bica

Tiago Torres da Silva / Pedro Jóia *marcha da bica*
Repertório de Cristina Nóbrega

Eu vivo num bairro pequenino
Com escadinhas que vão dar ao mar
E sobe por elas o destino
De quem vem p’ra rua p’ra cantar

Estende-se a passadeira vermelha
Para a Bica subir as escadinhas
Pôs um brinco d’oiro em cada orelha
E todas as moças são rainhas

O destino não é mau
Para um bairro de tal porte
Sobe-se um degrau, dá-se com um pau
Na tristeza e na má sorte
O destino não é mau
P’ra quem sobe esta ladeira
Salta-se um degrau e vai-se ao cacau
Que se bebe na Ribeira

Dizem que nos falta uma coroa
Que nos ombros não nos pesa um manto
Mas p’ra ser rainha de Lisboa
A Bica tem pouco e já é tanto

Lisboa é um livro de poemas
A Bica é apenas o prefácio
Fez das caravelas, diademas
E das ruas fez o seu palácio