- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado Deolinda

Deolinda Maria / Edgar Nogueira
Repertório de Deolinda Maria

Todos sabiam que eu era / A companheira do fado
Sempre vivi a seu lado / Desde os tempos da Severa

Sofri com a sua dor / Passei os mesmos tormentos
Nos bons e nos maus momentos / Só lhe dei provas d'amor

Mas esse tonto, quando teve a fantasia
De trocar a Mouraria 
Pelos bairros de alta roda
Chegou a ponto de me chamar inimiga
De me chamar velha antiga
Cansada e fora de moda
Mas o guitarra, não me posso esquecer dele    
Ele continua fiel 
A todo o nosso passado
Acho bizarra a ideia de me afastar, mas não
Não vou deixar de ser amante do fado

Nas boites e casinos / Onde faz da noite o dia
Toda e qualquer compahia / Serve a esse valdevinos

Mas quando a voz do povo / Lhe grita com emoção
É que ele chora e então / Se lembra de mim de novo