- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Era a noite que caía

Vasco Graça Moura / Carlos da Maia *fado perseguição*
Repertório de Joana Amendoeira

Era a noite que caía
E na sombra recolhia
O voo das andorinhas
Era a voz que se calava
Era a dor de ver que estava
Sem as tuas mãos nas minhas

Eram passos que escutei
Que eram teus ainda pensei / Iludiu-me o coração
Foram pela rua escura
Longe da minha amargura / E acompanhei-os em vão

Fiquei perto da janela
Pus-me a abri-la com cautela / Fiz disfarce da cortina
Vi então na luz incerta
Que a rua estava deserta / E deserta estava a esquina

Era só eu na escuridão
Era no peito um rasgão / Era já no céu a lua
Que me importa, à minha porta
A sombra que se recorta / 
Bem pode ainda ser a tua