-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores dos temas aqui apresentados.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* 7.350' LETRAS <> 3.180.000 VISITAS * ABRIL 2024 *

. . .

Fado Deolinda

*Eu, guitarra*
Jorge Rosa / Edgar Nogueira
Repertório de Deolinda Maria

Todos sabiam que eu era 
A companheira do fado
Sempre vivi a seu lado 
Desde os tempos da Severa

Sofri com a sua dor 
Passei os mesmos tormentos
Nos bons e nos maus momentos 
Só lhe dei provas d'amor

Mas esse tonto
Quando teve a fantasia
De trocar a Mouraria 
Pelos bairros de alta roda
Chegou a ponto 
De me chamar inimiga
De me chamar velha antiga
Cansada e fora de moda

Mas o guitarra
Não me posso esquecer dele    
Ele continua fiel 
A todo o nosso passado
Acho bizarra 
A ideia de me afastar, mas não
Não vou deixar 
De ser amante do fado

Nas boites e casinos 
Onde faz da noite o dia
Toda e qualquer companhia 
Serve a esse valdevinos

Mas quando a voz do povo 
Lhe grita com emoção
É que ele chora e então 
Se lembra de mim de novo


EU, GUITARRA

Todos sabem como eu era
A companheira do fado
Que vivi sempre a seu lado
Desde os tempos da Severa

Sorria com o seu humor
Sofria com os seus tormentos
E nos bons e maus momentos
Só lhe dei provas de amor

Mas esse tonto, l
evado p’la fantasia
De trocar a Mouraria p’los bairros da alta roda
Chegou ao ponto de me julgar inimiga
De me chamar velha antiga
Cansada e fora de moda

Mas eu, guitarra, não posso viver sem ele
E continuo fiel a todo o nosso passado
Acho bizarra a ideia de me afastar
Mas não… 
Não posso deixar de ser a amante do fado

Nas boîtes e casinos
Onde faz da noite dia
Toda e qualquer companhia
Serve a esse valdevinos

E só quando a voz do povo
Lhe grita com emoção
É que ele chora e então
Se lembra de mim de novo