- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Conselho / Conceito

Carlos Conde / Alfredo Duarte *fado bailarico*
Repertório de Alfredo Marceneiro

Quando eles não valem nada
Não se ganha em discutir
Não é bom servir de escada
P’ra qualquer asno subir

Há gente que só diz mal / P'ra se impôr, p'ra ser notada
Quem discute, menos vale / Quando eles não valem nada

E quem pouco valor tem / Só se vinga em deprimir
O desprezo chega bem / Não se ganha em discutir

Quem mal diz por ser ruim / Nunca vence a caminhada
A nulidades assim / Nâo é bom servir de escada

Quem vence de fronte erguida / Não se dispõe a servir
Como ponto de partida / P’ra qualquer asno subir


Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*

A dada altura (anos 30-40), estiveram na moda os fados que desenvolviam conceitos, quer opostos («fados de contraste»), quer associados, como Passado-Presente-Futuro, Inveja-Avareza-Generosidade, Cidade-Campo, etc.. Funcionavam estes conceitos como motes para fados mais ou menos moralizantes, de intenção didáctica, servindo o propósito de regenerar o Fado perante os que o denegriam como canção degradada, cultivada por gente de baixa extracção. Carlos Conde não lhes foi indiferente, tendo merecido o epíteto de «rei do conceito», exactamente porque conseguia jogar com eles, em contrastes de grande efeito, pela surpresa dos encadeamentos lógicos, pela superioridade estética com que os desenvolvia. Veja-se como retrata, em antinomias de superior recorte, os sentimentos contraditórios e a humildade das cartas dos menos letrados, mas nem por isso menos sensíveis, com palavras igualmente humildes como as que seriam usadas pelas suas personagens: «Menos palavras, mais beijos / Menos letras, mais lembranças!». «Quatro lágrimas bailando / Doidas de tanta alegria» é outra imagem superiormente achada para traduzir duas pessoas reencontrando-se após uma longa separação: