- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Porto-Porto

João Gigante Ferreira / Samuel Cabral
Repertório de Helena Sarmento
                                                                             
Mergulhadas ao contrário
Aguarela na corrente
Pelo Douro as cores das casas
A cidade e o seu cenário
As janelas querem gente
Como os sonhos querem asas

No reflexo da Ribeira
Vão as nuvens pelo chão / Nada o Duque no seu seio
Os rabelos vão nas vistas
Amarrados aos turistas / As gaivotas de permeio

Sendo outras são as mesmas
As gaivotas e o seu grito / Noutro vento a mesma dança
Pelo Douro desce o tempo
Nossos olhos ao relento / Vão mudando na mudança

No granito do teu peito
Bate um rio-coração / Doces vagas, tempestade
Deste Porto fiz meu porto
A caminho do teu corpo /
Pelo norte da vontade

No meu sonho livres rotas
Como asas de ninguém / Ná quem diga que exagero
Troco ouro por gaivotas
Por tão pouco há logo quem / Diga que é porque te quero