- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Malandrice

José de Castro Carvalho / João Nobre *canto o fado*
Repertório de Zé Carvalho

Eu p’ra armar ao sentimento
E sem causar impressões
Tratei do meu casamento 
C’oa mulher dos esfregões

E ao sair da capela
Depois da bela união
Houve uma enorme barrela
E uma esfregadela
Com um esfregão

Meteu em lua de mel
Malandrice
Houve comigo e com ela
Malandrice
Foi toda a noite a fazer
Malandrice
Na malandrice da dança
Houve confiança sem hesitações
Em casa muito dançamos
Que até esfregamos com dois esfregões

Nessa noite tão feliz 
Eu que era tão pimpolho
Dei-lhe um beijo no nariz
Ela ferrou-lhe num olho
Logo fiquei meditando

Depois daquela meiguice
Diz ela de vez em quando
Faz oh meu malandro
Outra malandrice

Há dias via aflita
À saída do Bolhão
Escorregou, coitadita 
E mostrou o esfregão

Ali eu vi a malícia 
De senhores muito atrevidos
Olhando para a delícia
Até um polícia 
Caíu sem sentidos