- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado das cordas soltas

Letra e musica de José Ricardo Silva
Repertório de Isa Cardoso

Tu foste embora sem nenhuma razão
Sem local nem hora, nem sequer direção
Eu já estava farta, nem chorei e depois
Só deixaste uma carta e o retrato dos dois

Meu fado banal, estás tão repetido
És tão atonal, não me sais do ouvido
Rascunho na tela ou pintura rupestre
Tens travo a canela, ou amora silvestre

E sem melodia, sem notas nem som
Canto sem harmonia, sem compasso nem tom
É assim minha vida, às voltas e voltas
Tão só e perdida, fado das cordas soltas
Eu sei que não voltas
Fado das cordas soltas

Eu já decorei onde guardo o que é teu
Já tudo arrumei, nada se perdeu
Aquelas gavetas com as tuas canções
Estão de novo repletas de recordações

Ah meu fado, outra vez que pairas no ar
Às duas por três lá estou eu a cantar
És grafite e carvão que apago sem fim
Do meu coração, de dentro de mim