- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Este fado de nós mesmo

Fernando Campos de Castro / Acácio Gomes *fado acácio*
Repertório de Alzira Afonso

Há fados que a gente canta
Que não saem da garganta
Mas do mais fundo de nós
Palavras que são verdade
Como um sopro de saudade
Dum grito que não tem voz

Há fados como um abraço
Com duas mãos de cansaço / Que se abrem à ternura
São estrelas que lançamos
Quando sozinhos erramos / Por dentro da noite escura

Há fados que a gente sente
E se tornam de repente / Num fado igual a nenhum
São regresso e despedida
Que são pedaços de vida / Do fado de cada um

Há fados na noite calma
Que nos sossegam a alma / E que cantamos a esmo
São sonhos que nos sustentam
E que aos poucos alimentam / Este fado de nós mesmo