- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Falando de fado

Carlos Baleia / Armando Machado *fado três bairros*
Repertório de Linda Leonardo

Não sei se fado é destino
Tragédia, amor, solidão
Paixão ou forma de ser
Se é dor ou é desatino
O pensar com o coração
E assim gostar de viver

Sei que ele anda por aí / Entra e sai das nossas vidas
Sem água-vai nos dizer
Por tudo aquilo que ouvi / É senhor que às escondidas
Aparece quando quer

Não há portas nem janelas / Que ao fado neguem entrada
Nesta Lisboa cidade
Nas tabernas, nas vielas / E na casa apalaçada
Entra p’la mão da saudade

O povo recusa enganos / E percebe claramente
Como este amor tem durado
E ao fim de tantos anos / Há uma Lisboa contente
Por ser amante do fado