- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cabaré

Henrique Rego / Alfredo Duarte *Pierrot ou Cabaré*
Repertório de Alfredo Marceneiro

Foi num cabaré de feira / ruidoso
Que uma vez ouvi cantar / um comovido
Uma canção de rameira / sem ter gozo
Que depois me fez chorar / bem sentido

Era a canção da alegria / couplé novo
Mas a pobre que a cantava / eu bem a vi
Naquela noite sorria / para o povo
E ao mesmo tempo chorava / para si

É que a linda cantadeira / tão formosa
Mais linda do que ninguém / certamente
Sentia a dor traiçoeira / rancorosa
A magoar-lhe o peito de mãe / cruelmente

Tinha um filhinho doente / quase à morte
E a pobre ganhava a vida / só de fel
Cantando a rir tristemente / por má sorte
Uma canção de perdida / bem cruel