- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado Ribatejo

Letra e musica de Pedro Barroso
Repertório de João Chora


Nesta terra há um rio antigo de saudade
Que nos dá vida e sonho e encantamento
E a paz que o campo tem e a verdade
De quem vive outro sítio, outro momento

Ter o Tejo aqui assim ao pé da porta
É um berço de força e de saber
Traz-se ao peito o gosto da paixão
Enquanto o sol nos fala ao entardecer

Viver assim é outro modo, outra maneira
Outra vida, outro sonho a comandar
Passa o tempo escorregando à minha beira
Cantam-se fados á noite p'ra lembrar

E o sol, e a gente, e o campo, e a cidade
E a cheia, esse chão d'água a cobrir tudo
E a alma imensa dum povo sem idade
Não mudes tu meu povo, que eu não mudo

Nesta pátria Ribatejo se ama e canta
Se dança, se trabalha, e se resiste
E onde o peito alcance haverá chama
Ninguém é mais alegre nem mais triste

E doce, e forte, e sereno, ao mesmo tempo
Como os cavalos ao longe, ao pôr-do-sol
Existe aqui um templo que é eterno
Na lenda e no feitiço do Almourol