- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eterno desejo

João Gomes / Joaquim Campos *alexandrino*
Repertório de Fernando Maurício

Se já nada me resta, que mais queres tu de mim
Deixa-me apenas só, entregue á minha dôr
Se o fantasma remorso não me fala de ti
Não queiras reviver o que foi nosso amor

Deixa que a luz se apague, impávida e serena
Na triste solidão da estranha melodia
Que nem a noite veja alucinante cena
Que foi prazer dum ano, e calvário dum dia

Não lhe chames saudade, mas sim, amor perdido
Que tudo se desfez num sonho amargurado
Meu pobre coração, de ti, já está esquecido
E canta agora triste, sem fé, resignado

Deixa que seja eu a matar o passado
A dispersar as cinzas desse eterno desejo
Depois de tudo morto, só nos resta o pecado
Do calor que ficou, do teu último beijo