- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado depois da tempestade

João Gigante-Ferreira / Samuel Cabral
Repertório de Helena Sarmento

Em noite de tempestade / Quando as árvores se agitam
Somos folhas que nos gritam / O medo que nos invade

E mudos assim ficamos / Sem estrelas nem luar
Só espantalhos a dançar / Dependurados nos ramos

Vejo velas nos teus olhos
Não de barcos, de moinhos
Rosa dos ventos sozinhos

Porque o raio fulminante / Se acompanha do trovão?
É que nem a luz suporta / Do escuro a solidão

Já lá vem a madrugada / Vem com pressa de chegar
Traz estrelas atrasadas / Nos teus olhos só de amar

Vejo velas nos teus olhos
Não de barcos, de acender
Incêndios de amor a arder

E depois da tempestade / Nascem bocas incessantes
Sobre a pele de mãos se arde / Velha história dos amantes...