- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Barulho no bairro

Letra e música de Frederico de Brito
Repertório de Deolinda Maria 

A minha rua de casinhas mal caiadas
Não tem mais que três braçadas 
Que dão bem pra eu passar
A minha rua vê-se bem a cada passo
Que se envolve num só braço 
No abraço do luar

Na minha rua eu conheço uma andorinha
Por sinal, minha vizinha 
E que mora um beiral
Pois tem por baixo cravos rubros nas janelas
Que parecem sentinelas 
Num palácio oriental

Não há rua tão gaiteira… nem tão boa
É a mais zaragateira… de Lisboa
Eu não sei que rua é esta
Tem festa todo o dia
Mas se há música na festa
Tem que haver pancadaria

A minha rua tem seu quê de presumida
É vistosa e é garrida
É boémia e anda ao léu
Uma elegante que há ali pró Bairro Alto
Com sapatos de basalto 
E estrelinhas no chapéu

A minha rua, que eu pisei ainda criança
Foi a luz da minha esperança
A razão da minha fé
A minha rua será feia, muito embora
Mas apenas quem lá mora 
É que sabe o que ela é