- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se tu fosses como eu queria

Carlos Baleia / Daniel Gouveia
Repertório de Daniel Gouveia

Se tu fosses como eu queria
Em vez de seres como és
Decerto te adoraria 
E cairia a teus pés;
Serias dona do mundo
Se o mundo me pertencesse
E até um amor profundo
Talvez a ti, te oferecesse;
Bastaria um só olhar
Um sorriso, uma ternura
P’rá vida se transformar 
Em duradoura ventura                   

Mas, tu, tirana, és cruel, és indiferente
E soberana assim passas entre a gente
Segues sem ver, altiva no teu andar
Todo este querer que eu guardo para te dar
E nesse andar onde pisas sentimentos
Não há pesar, por desgostos ou tormentos

Mas um dia tarde ou cedo
Quando o amor te atingir
Decerto sentirás medo 
Ou vontade de fugir;
E rezo aos santos amigos
Que eu seja disso culpado
Desejando-te castigos 
Pelo desprezo que tens dado;
Castigos que a mim te prendam
Correntes que não desatem
Beijos que me surpreendam
Ou carícias que me matem              

Pois tu, tirana, tão cruel e indiferente
A tal soberana que nem via a outra gente;
Hás-de perder o estilo do teu pisar
E merecer o amor que posso dar;
E encantada com vida de nova cor
Por mim chamada, correrás para o amor