- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado pequenino

João José Samouco da Fonseca / António Luís Arrenega
Repertório de João Chora 

Sem ser fadista nem nada
Fiz um fado pequenino
Que chora a vida passada
Nessa Chamusca adorada
De quando eu era menino

Rapazinho de calções / Quanta vez fugi afoito
P’ra espreitar os dramalhões / Pelas frestas dos portões
Do velho teatro Foito

E em páscoas que já lá vão / P’ra fugir à populaça
Ia ver a procissão / Quinta-feira de paixão
Do antigo largo da praça

E a pena que me fazia / Ver a saudade cruel
Dos velhos co’a nostalgia / Da saudosa romaria
Do dia de São Miguel

E o meu fado canta e chora / Serenatas que se deram
Cantadas p’la noite fora / Às raparigas que agora
São velhas ou já morreram