- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Quimeras à solta

Manuel Carvalho / Alfredo Duarte
Repertório de Joaquim Brandão 

Senti hoje a tal revolta
Ao ver ilusões à solta
Pelas ruas da cidade
É revolta que se sente
Quando no peito da gente
Já não cabe mais saudade

Vivo cansado a sonhar
Já não tenho dor p’ra dar / Ao desejo que m’enleia
Morro nesta ansiedade
À procura da verdade / Com sonhos feitos d’areia

Esta angustia que me mata
Vai vencendo quando ataca / O que penso de mim mesmo
Pois só encontro a verdade
Pelas ruas da cidade / A matar sonhos a esmo

Assim vai a vida embora
Os sonhos ficam lá fora / À espera do fado norte
Viver a vida a preceito
Toda a gente tem direito / Mas é preciso ter sorte