- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

História do quadrilheiro

*História do quadrilheiro Manuel Domingos Louzeiro*
António Aleixo / José Niza
Repertório de Adrianao Correia de Oliveira

Já lá vai preso o ladrão
Que em toda a parte aparecia
Contam-se mais de um milhão
De roubos que ele fazia


Meus senhores vão ouvir / A história do quadrilheiro
Manuel Domingos Louzeiro / Que foi a pena cumprir
Enquanto alguém de Salir / Num primor de descrição
Lhe chama até "Lampeão" / Mas, salirenses honrados
Podeis dormir descansados
Que lá foi preso o ladrão

P’las coisas que o povo diz / O tal Domingos tem sido
P’ra uns, terrível bandido / P’ra outros, grande infeliz
Mas eu, sem querer ser juiz / Vi que ele se despedia
Da mulher com quem vivia / Numa amizade sincera
E não vi nele a tal fera
Que em toda a parte aparecia

Desse rei dos criminosos / Direi aos que o conheceram
Poucos crimes apareceram / E poucos são os queixosos
Apenas alguns medrosos / Terrível fama lhe dão
Para a justiça só são / Os seus crimes dois ou três
Mas coisas que ele não fez
Contam-se mais de um milhão

Por alguns sítios passava / Onde há só gente honradinha
Que roubava à vontadinha / E que ninguém acusava
Tudo Domingos pagava / E ele às vezes nem sabia
Que à sua sombra vivia / Gente que passa por justa
Fazendo crimes à custa
Dos roubos que ele fazia