- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sonho afadistado

Letra e música de Carlos Alberto França
Repertório de José Freire 

Sonhei ser fadista / Castiço e bairrista
Como antigamente
Cantava o Corrido / Trinado e sentido
Muito altivamente
Perdido em vielas / Eu via as janelas
Brilhar na cidade
Como pirilampos / Que vinham dos campos
Luzindo vaidade

Que lindo era o casario
E as velas no rio à luz do luar
E uma guitarra distante
Soava vibrante p’ra me acompanhar

Com grandes fadistas / E bons guitarristas 
À mesa sentado
Via o sol nascer / E a noite a morrer
Nos braços do fado
Entre tanta gente / Num tal ambiente
Sem hora marcada
Surgia o Corrido / Trinado e sentido
À volta passada

Foi quando uma voz sumida
Devolveu-me à vida com o seu segredar
Depois dum sonho tão lindo
Acordei sorrindo quase a chorar