- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Maria sem dono

José Guimarães / Alvaro Martins
Repertório de Augusto José

Alegre e namoradeira / Era por todos querida
Sempre em ar de brincadeira
Mas brincou tanto na vida / Que hoje chora a vida inteira

Nas ruas donde passava / Espalhava luz e cor
Ria de quem a adorava
E negava o seu amor / Àqueles de quem gostava

Maria sem dono, sem dono vivia
Sozinha na vida, cansada e vencida
Sofria, sofria
Ninguém a tirou daquele abandono
O tempo passou e sempre ficou
Maria sem dono


Mais tarde quando pensou / Poder voltar a viver
Nem por piedade encontrou
Quem lhe pudesse oferecer / Aquele amor que esbanjou

Pobre Maria sem dono / A sua vida é um inferno
Na solidão do outono
Sente chegar o inverno / No frio desse abandono