- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.485 LETRAS <> 2.524.500 VISITAS <> JULHO 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Trova eterna

Domingos Gonçalves da Costa / Francisco Carvalhinho
Repertório de Manuel Fernandes

Com sua divina graça
Deus quis dar a Portugal
O fado, canção de raça
De mimo e graça, trova imortal

Deu-nos um sol radioso
E o mais formoso luar
Por isso, como ditoso
Feliz garboso diz a cantar

Dá-me essa velha guitarra
E vem para a farra, a noite está linda
Vamos para a Mouraria
Que embora sombria, não morreu ainda
Depois iremos p'ra Alfama
Um bairro de fama e de gente boa
P'ra dizermos lado a lado
Que è lindo o fado desta Lisboa


Ao fado canta-se a lida
Feliz ou triste também
Com voz alegre ou sentida
Conforme a vida que a gente tem

P'ra se cantar, finalmente
Serve um motivo qualquer
Por isso constantemente
A toda a gente se ouve dizer