- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Siga a dança

João Machado / Carlos Baleia
Repertório de Dora Maria

Se chove num dia e noutro há calor
Se à ventania
Segue a calmaria com tempo melhor
Se há choro de alegria e também a dor
Numa sintonia que envolve o amor                        

É porque no mundo existe a mudança
Que melhor se alcança
Se na simples prece pusermos a esperança
E como no fundo isto se conhece
Muita gente esquece
Que é naquela esperança que tudo acontece                 

Logo em pequenino      
Com choro ao nascer se enfrenta o destino
Não dá p’ra saber
Se irá velho ser quem hoje é menino
Há horas sombrias
Instantes de humor, mágoas, alegrias
E ainda o amor
Que enche de sabor tantas fantasias    

Se nada é eterno na vida da gente
Seria um inferno
Se o agreste inverno fosse permanente
Se até o moderno passa velozmente
E um amor terno morre de repente