- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lisboa gaivota branca

Mário Martins / António Chaínho
Repertório de António Mourão

Lisboa gaivota branca / Que tem poiso na Ribeira
Faz o ninho no Castelo / Discute na Brasileira

Aos domingos é sereia / Dá-se ao mar em pleno dia
Traz nos cabelos o sal / Em punhados de maresia

Lisboa é corpo de rapariga
De seio erguido, de patriota
É melodia de uma cantiga
Na sombra branca duma gaivota
É aguarela de água do rio
É oceano do mar da palha
Feita de sol nunca tem frio
Sob colinas que se agasalha


Já sem canastra à cabeça / Pôs um turbante de ameias
Fidalga-povo que sabe / Ser mulher e ter ideias

Corpo de rio inquieto / De noite os olhos são prata

Ambição de ser do mundo / Que só no mar se desata