- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.485 LETRAS <> 2.524.500 VISITAS <> JULHO 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado do pastel de nata

Leonel Moura / José Duarte Seixal *fado seixal*
Repertório de Leonel Moura

Vai à mesa do freguês
Servido em salva de prata
Esse vaidoso burguês
É nobre, é português
O belo pastel de nata

Bem cremoso e tostadinho / O rei da pastelaria
Amigo do cafézinho
É melhor ainda quentinho / Quando nasce um novo dia

É servido com canela / Ou servido ao natural
É de aparência singela
Esta iguaria tão bela / No mundo não há igual

É famoso no estrangeiro / E tanta vaidade tem
Dos pastéis é o primeiro
E o povo do mundo inteiro / Vai aos pastéis de Belém

Com a bica ou com galão / Ou outra qualquer bebida
P’ra manter a tradição

Pastel de nata na mão / E o povo lá vai à vida