- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Falar e não sentir

Carlos Conde / Popular *fado corrido*
Repertório de Maria Emília Ferreira

A virgindade na vida
Não é precisa p’ra nada
Há muita mulher perdida
Que toda a vida é honrada


À mulher que se perdeu / O mundo não dá desculpa
Nem que ela tivesse a culpa / Da sina que Deus lhe deu
Porque amou, sentiu, sofreu / Numa paixão desabrida
Foi por amor seduzida / Não se perdeu por amor
Nem para mim tem valor

A virgindade na vida

Por amor ninguém pecou / De resto, o que o mundo diz
São preconceitos pueris / Tretas que o mundo inventou
A virgem também gerou / E nunca foi acusada
De ter sido maculada / Guardam-lhe até castidade
Neste mundo, a virgindade

Não é precisa p’ra nada

Se o prazer a honra agrava / Mais vale a honra agravar
Ser escrava por amar / Do que amar e ser escrava
Que a honra jamais se lava / Diz a turba embrutecida
Mas quanta honrada fingida / Das outras segue as pisadas
Porque entre as mais honradas

Há muita mulher perdida

Há mulheres que luxam bem / E outras que sofrem, serenas
Estas são filhas, apenas / Das penas que o mundo tem
Mas perdidas não, ninguém / Por prazer vai afoitada
Para a vida desregrada / Beijos e corpo vender
E ali há muita mulher

Que toda a vida é honrada